domingo, 22 de dezembro de 2013

A teoria que os ateus, comunistas e integrantes do Partido dos Trabalhadores (PT) acreditam.

CD MINHA FORTALEZA
Paz e graça a todos os leitores do blog. Ajudem nosso ministério com oferta de trinta reais e mande o comprovante escaneado e endereço correto para o seguinte e-mail: welsi@oi.com.br O Banco é: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL – AGÊNCIA 1019 – OP. 013- CONTA 1789-0. Caso enviando seu depósito de R$ 30, 00 enviarei o meu CD Minha Fortaleza para todo o Brasil e, vocês estarão ajudando o Ministério da Igreja Batista Casa de Deus – Ministério Salvador. Bem, o assunto que vou abordar é sobre a teoria que os ateus, eruditos, membros do Partido Comunista (PC), do Partido dos Trabalhadores (PT) acreditam. O Século XIX foi um período caracterizado por uma busca fervorosa por descobrir a origem de todas as coisas. A teoria recebeu rótulos de Transformismo Materialista, Desenvolvimento ou Evolução, prevalecendo este último termo. Quando Charles Darwin aplicou e ampliou os princípios evolucionistas a fim de mostrar como diversas formas biológicas poderiam ter surgido de outras mais simples, a empolgação aumentou ainda mais. Muitos eruditos, por meio da teoria da evolução se propôs a explicar a origem de algo tão complexo como a religião. Em primeiro lugar eles ignoraram a teoria bíblica de que a primeira religião a aparecer na terra assumia uma fé monoteísta; fé essa que Deus confirmou desde a Antiguidade com revelações sucessivas. Eles não aceitaram outra insistência bíblica de que o espiritismo e o politeísmo em todas as suas formas eram falsas religiões, tentativa perversa do homem amoldar a verdadeira e originária religião de acordo com a preferência mal orientada. Em uma obra de dois volumes intitulada Primitive Culture: Researches Into the Developement of Mythology, Philosophy, Religion, Art and Custom, um inglês chamado Edward B. Tylor propôs uma teoria embasada na ideia de que a alma deve ter sido o embrião natural do pensamento, a partir do qual se desenvolveram todos os demais conceitos religiosos. Segundo Tylor, os selvagens da Antiguidade, imaginavam que possuíam alma ao mesmo tempo que perguntavam a respeito de dois grupos de problemas biológicos: sono/êxtase e doença/morte. Uma vez que os indivíduos primitivos se acostumaram a pensar em si mesmos como seres que tem almas, tornou-se patente que outras entidades como animais, árvores, rios, montanhas e forças da natureza poderiam ter sido semelhantemente dotadas. Segundo Tylor, foi assim que nasceu o espiritismo (animismo), primeira religião. Séculos mais tarde, de acordo com Tylor, apareceu um novo fenômeno em certas sociedades humanas a estratificação das classes. As aristocracias humanas, reinando sobre os camponeses, sugeriam aristocracias de deuses governando as massas de almas e espíritos. Assim, no modelo de Tylor, o politeísmo emergiu do espiritismo apenas onde o fenômeno social da estratificação de classes o instigou. De acordo com Tylor, o monoteísmo é evolução gradual do politeísmo devido a ideia aristocracia/monarca; o escritor, com sua mente “avançada” deduziu que, os deuses queriam um ser supremo, acima de todas as coisas. Qual o objetivo de Tylor e dos ateus em relação a tal teoria? Em primeiro lugar, não havia mais nada de encoberto sobre a origem das religiões pois a teoria evolucionista já tinha explicado tudo; segundo, desde que o monoteísmo marcou estágio final da evolução da religião, esta chegara a uma rua sem saída. Terceiro, novos desenvolvimentos da sociedade humana já estavam determinando o próximo passo a ser dado pelos evolucionistas: abandonar a religião com o seu Deus, deuses ou espíritos agora extintos. No próximo capítulo explicarei como essa teoria foi derrubada e até hoje os comunistas, ateus usam e, um dia os nazistas usaram para perpetuar sua maldade. Deus abençoe a todos! Pr. Weliton Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário