quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

José a Mercadoria




Paz e graça amados tudo bem?
Farei três capítulos do Estudo de José dando continuidade ao  capítulo anterior.
Bem, um homem direcionou José para onde estava seus irmãos, conforme está escrito em Gênesis:
E achou-o um homem, porque eis que andava errante pelo campo, e perguntou-lhe o homem, dizendo: Que procuras?
E ele disse: Procuro meus irmãos; dize-me, peço-te, onde eles apascentam.
E disse aquele homem: Foram-se daqui; porque ouvi-os dizer: Vamos a Dotã. José, pois, seguiu atrás de seus irmãos, e achou-os em Dotã.
E viram-no de longe e, antes que chegasse a eles, conspiraram contra ele para o matarem.
E disseram um ao outro: Eis lá vem o sonhador-mor!
Vinde, pois, agora, e matemo-lo, e lancemo-lo numa destas covas, e diremos: Uma fera o comeu; e veremos que será dos seus sonhos.
E ouvindo-o Rúben, livrou-o das suas mãos, e disse: Não lhe tiremos a vida.
Também lhes disse Rúben: Não derrameis sangue; lançai-o nesta cova, que está no deserto, e não lanceis mãos nele; isto disse para livrá-lo das mãos deles e para torná-lo a seu pai.
E aconteceu que, chegando José a seus irmãos, tiraram de José a sua túnica, a túnica de várias cores, que trazia.
E tomaram-no, e lançaram-no na cova; porém a cova estava vazia, não havia água nela.
Depois assentaram-se a comer pão; e levantaram os seus olhos, e olharam, e eis que uma companhia de ismaelitas vinha de Gileade; e seus camelos traziam especiarias e bálsamo e mirra, e iam levá-los ao Egito.
Então Judá disse aos seus irmãos: Que proveito haverá que matemos a nosso irmão e escondamos o seu sangue?
Vinde e vendamo-lo a estes ismaelitas, e não seja nossa mão sobre ele; porque ele é nosso irmão, nossa carne. E seus irmãos obedeceram.
Passando, pois, os mercadores midianitas, tiraram e alçaram a José da cova, e venderam José por vinte moedas de prata, aos ismaelitas, os quais levaram José ao Egito.
Voltando, pois, Rúben à cova, eis que José não estava na cova; então rasgou as suas vestes.
E voltou a seus irmãos e disse: O menino não está; e eu aonde irei? 
Gênesis 37:15-30.

Ao ser lançado na cova, provavelmente José pensou: estou morto, meus irmãos me odeiam, nunca mais verei a meu pai. Entretanto, Judá, mesmo com o coração cheio de inveja e ódio do seu irmão vendeu para um grupo de ismaelitas, que diga-se de passagem eram parentes de José por vinte moedas de prata.
Nessa vinda de Gileade pelos ismaelitas, tem uma linda revelação: Deus, por meio dos objetos estava falando com José. O perfume representa o Senhor Jesus que é a Rosa de Sarom, o Lírio dos Vales; Gileade era lugar de médicos e Deus estava curando coração de José do ódio, da mágoa e da revolta que ele poderia ter com os irmãos.
Queridos (as) talvez você esteja com o coração ferido há anos com um ente querido, amigo, vizinho, colega de trabalho. Eu lhe digo: há um Médico em Gileade que vem com mirra  e bálsamo para curar as dores e angústias de sua alma.
Faça essa oração: Senhor Jesus, creio que és o Médico de Gileade, a Rosa de Sarom, o Lírio dos Vales, o Senhor que cura, salva e liberta. Deus, estou com mágoa  de ............ (esse espaço deixado é para você dizer o nome da(s) pessoa (s) que te feriu), me cura neste momento pois está escrito: perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. Deus eu libero perdão e vou até essa pessoa que talvez eu tenha magoado (a) ou que me feriu e até agora não conseguia perdoar. Creio que maior é o Senhor em minha vida do que qualquer tribulação. Amém!   
Que Deus te abençoe!
Pr. Weliton santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário