sábado, 20 de abril de 2013

Os Triunfalistas, os Fatalistas e os Adoradores






Paz e graça amigos do blog e irmãos. Com tantas lutas que temos passado, quero escrever um tema para os irmãos, independente de congregação e religião. 
Está escrito em Tiago: 

“A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo. “ Tiago 1:27.

O tema a seguir se encaixa praticamente na parábola do semeador que o Senhor Jesus contou, principalmente das sementes lançadas nas pedras, nos espinhos e em terra boa. Tais sementes faz nascerem duas características de crentes: os triunfalistas, os fatalistas e o verdadeiro cristão, que é o adorador.

Os triunfalistas: são pessoas com crenças equivocadas de que, ser crente em Cristo, deve ser somente vitórias e fogo, mais fogo e o céu desce. Falta ao triunfalista o sentimento trágico da vida, um reconhecimento trágico de suas limitações. A arrogância triunfalista vai das certezas inamovíveis dos teólogos até as irreverentes demandas para com Deus.

Tais pessoas são aqueles lançados entre os espinhos conforme está escrito nos Evangelhos sinópticos:

E outra caiu entre espinhos e, crescendo os espinhos, a sufocaram e não deu fruto. Marcos 4:7.

Pessoas com essa característica pede mal nas suas orações, sempre almeja vitórias terrenas e vê na oração uma solução mágica. Não lê a bíblia e nem tem interesse em estudar; depende de outras pessoas que a manipulam, por isso a Palavra fica infrutífera em sua vida.Ensina-se equivocadamente que ser crente em Cristo significa ter acesso às bênçãos materiais e de vitórias sobre todos os males que afligem o corpo e a alma. O triunfalismo torna o crente presunçoso, conforme está escrito:

“Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhorie de mim. Então serei sincero, e ficarei limpo de grande transgressão. “ Salmos 19:13.

Isso leva a uma vida de mentiras que conta-se aos outros e a nós mesmos. Na verdade nossa fé em Cristo não impedem que enfrentemos crises e problemas, que vivenciemos fracassos, doenças, tristezas, pois são patê comum e inevitável da vida de qualquer pessoa neste mundo caído de pecado.

O triunfalismo efetua ainda uma atitude moral equivocada em que crentes passam a se ver como mais puros e santos que pecadores incrédulos. O cristão é santo porque foi “separado” para missão de seguir a Cristo. O que nos diferencia dos ímpios é sermos pecadores conscientes do pecado e da necessidade da graça e do perdão de Deus, consciência essa que os ímpios não tem.

Tal moralidade parte da criação de Deus, mas ignora a queda e prega uma proposta de conduta idealizada, mais adequada a anjos que a homens. Também nos torna soberbos intelectualmente conforme está escrito: 
“Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?”  1 Coríntios 1:20.

O triunfalista só pensa em riqueza e como disse o Senhor Jesus na explicação da parábola do semeador: 
“E outros são os que recebem a semente entre espinhos, os quais ouvem a palavra;
Mas os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando, sufocam a palavra, e fica infrutífera.” Marcos 4:18-19.

Na próxima postagem abordarei sobre o crente fatalista. 

Até breve.

Pastor Weliton Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário